segunda-feira, 18 de maio de 2009

Dalí com IRA...Em releituras possíveis...

Hoje, enquanto voltava da faculdade, ouvia tocar no rádio uma música que estou certa de ter ouvido outras tantas vezes, mas nunca antes como hoje. O fato é que, enquanto a música tocava, uma imagem saltava, dava piruetas e se desdobrava em minha mente. Era uma obra de Salvador Dalí. Acho que ela estava assim tão viva em minha memória porque eu e meus alunos tínhamos feito uma proveitosa leitura dela na semana passada.
Mas, ainda que eu tentasse, não poderia traduzir aqui todos os caminhos que percorremos durante a leitura feita porque acredito que nem mesmo nós poderíamos reconstituí-los, mas, acreditem, o passeio fora dos mais inebriantes. E, hoje, de súbito, aquela música me colocou novamente num daqueles caminhos, para que, mais uma vez, eu o recriasse. Não pude evitar pensar um pouco mais sobre tudo que Dalí nos convida a ver em "Criança Geopolítica Observando o Nascimento do Homem Novo", desta vez embalada pelo som do IRA tocando "Dias de Luta". E por isso vim aqui compatilhar com vocês a imagem e a letra, NA CERTEZA DE MUITAS DÚVIDAS. ;-)


Só depois de muito tempo
Fui entender aquele homem
Eu queria ouvir muito
Mas ele me disse pouco...

Quando se sabe ouvir
Não precisam muitas palavras
Muito tempo eu levei
Prá entender que nada sei
Que nada sei!...

Só depois de muito tempo
Comecei a entender
Como será meu futuro
Como será o seu...

Se meu filho nem nasceu
Eu ainda sou o filho
Se hoje canto essa canção
O que cantarei depois?
Cantar depois!...

Se sou eu ainda jovem
Passando por cima de tudo
Se hoje canto essa canção
O que cantarei depois?...

Só depois de muito tempo
Comecei a refletir
Nos meus dias de paz
Nos meus dias de luta...

Se sou eu ainda jovem
Passando por cima de tudo
Se hoje canto essa canção
O que cantarei depois?...

Cantar depois!...

(Composição: Edgard Scandurra)

7 comentários:

  1. A delícia da vida é não ter certeza de nada e não saber o que se fará depois, já pensou se acordássemos pela manhã já sabendo como seria o nosso dia?

    beijinhos
    Márcia Justiniano

    ResponderExcluir
  2. Não haveria encantamentos e nem estranhamentos...Seria um tédio! Beijocas querida!!!

    ResponderExcluir
  3. Lembra do texto que voce me deu para ler sobre:
    "NÃO NASCEMOS PRONTOS". Vivemos sempre em busca de algo que não sabemos o que é por isso com este poema me veio a certeza de que sou um sujeito asujeitado numa busca constante.bjs Lucia.

    ResponderExcluir
  4. Arassouuuuuuuuuu...
    Adoro Salvador Dalí, um luxo, artista completo...
    Bjs para vc! Fabrício - aluno

    ResponderExcluir
  5. Um dia serei sua aluna!! Nem q seja só ouvinte!! Sou sua fã!!!

    ResponderExcluir
  6. Vai ser uma honra pra mim Gi!!! Beijocas!!!

    ResponderExcluir
  7. Nossa!

    Interessantíssima essa música!

    A incerteza nos impulsiona ao desafio,
    O que cantarei depois?

    A construção de nossa vida, passa pela escolha que fazemos a cada alvorecer de um novo dia, nada planejado, mais visto, vivido, sentido, reagido.

    Na teoria do caos: "Um simples bater de asas de uma borboleta pode causar um tufão no outro lado do mundo".

    Um sorriso, pode se multiplicar numa grande felicidade para muitos, ou não, uma palavra áspera pode causar um terrível desastre, ou não...é essa improbabilidade e incerteza do amanha que nos faz querer acordar e querer fazer tudo diferente a cada novo dia!

    bjo

    ResponderExcluir